Saiba como viver sem estresse com os vizinhos

Viver com os vizinhos

Atire a primeira pedra quem nunca se estressou com um vizinho. Barulho excessivo, música, salto alto, festas que viram a madrugada, latidos, criança chorando… e a lista poderia seguir.

Quando vivemos em um lugar queremos ter qualidade de vida ali. E não viver harmonicamente com as pessoas que nos cercam não faz nada bem. Antes de apontar o dedo para o outro, no entanto, é preciso olhar para si mesmo e perguntar-se: tenho sido um vizinho adequado?

A resposta despertou dúvidas? Então confira as dicas abaixo para que a relação com seus pares seja sempre tranquila, esperando que seus vizinhos façam o mesmo, claro. (Veja aqui mais informações sobre o tema).

Não faça aos outros…

Essa é a regra clichê e de outro para os bons relacionamentos. Como vizinho, avalie se a sua conduta é pertinente e pergunte-se se algo que você faz o irritaria caso alguém tivesse tal comportamento.

Além disso, o bom senso é rei. Há muitas pessoas que não se incomodam com muitas coisas, nem com barulho excessivo. Se você é assim, não tome o seu comportamento como modelo e parta do princípio de que as pessoas se incomodam.

Respeite a vaga da garagem

Uma das maiores desavenças em prédios pode ser evitada com um gesto simples: respeitar os limites de sua vaga. Não ocupe a vaga do vizinho em nenhuma situação, a não ser que por algum motivo ele tenha te autorizado.

Se a situação é a inversa e há outro morador ocupando sua vaga, o modo mais correto de agir é comunicar ao síndico, já que interpelar diretamente o vizinho pode gerar confusão.

No caso das casas, caso haja um carro na frente de sua garagem procure saber quem é o dono e entre em contato com a pessoa, de forma muito educada, e explique a situação.

Abaixe o volume

Todos nós achamos que nosso gosto musical é maravilhoso, certo? Seja música clássica ou arroxa, queremos ouvir e deixar que o mundo ouça. E temos um problema aqui.

Não há necessidade de ouvir música exclusivamente por meio dos fones de ouvido, mas é fundamental ter bom senso e ouvir música ou tocar instrumentos num volume razoável, que não chegue à casa do vizinho.

Festa é bom, mas cuidado com a frequência

Imagine que você é um vizinho que se comporta adequadamente, nunca abusa do barulho, não deixa seu cachorro fazer as necessidades em lugares equivocados, não ocupa a garagem alheia. Imagine agora que você resolve dar uma festa em sua casa ou apartamento e a música e o volume da conversa estão acima do aceitável.

Ainda que essa situação deva ser evitada, é possível que seus vizinhos sequer reclamem, pois essa foi uma situação isolada, que não acontece em sua casa ou apartamento com frequência.

Mas se você faz das festas um evento frequente, será problema na certa e você se tornará um vizinho mal visto.

Mora em apartamento? Tire o salto

Ainda que pareça algo pequeno, o barulho dos saltos pode ser ouvido de um andar para o outro e é provável que incomode, em especial porque você não costuma saber muito bem se há crianças ou idosos no andar de baixo, os quais são mais sensíveis a esse tipo de barulho.

Para não passar nem perto de qualquer problema por causa de um salto, tire-o quando estiver em casa.

Gostou das dicas? Seja gentil, tenha bom senso e uma vida cheia de harmonia para você!

As cidades com melhor qualidade de vida do Rio de Janeiro

Niterói

 

Qualidade de vida. Todos que têm a oportunidade de escolher uma cidade para viver, pretendem comprar uma casa para alugar ou para passar as férias, refletem e pesquisam acerca das boas condições que aquele lugar pode oferecer.
Segundo o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), o estado do Rio de Janeiro possui apenas duas cidades na listas das 100 melhores para se viver no Brasil. São elas Niterói, em 7º lugar, e a cidade do Rio de Janeiro, em 45º lugar. Isso significa que a nível estadual as cidades ocupam o primeiro e o segundo lugar, respectivamente. A pesquisa leva em consideração a longevidade da população, o grau de escolaridade e a renda per capita.
Linda…e com baixa qualidade de vida
Ter como referência apenas o Brasil pode ser enganoso. Isso porque a cidade do Rio de Janeiro, a nível mundial, é uma das piores grandes cidades para se viver. E não pense que o único problema do cartão postal mais famoso do Brasil é a violência.
A pesquisa, conduzida pelo Deutsche Bank, considerou dados como poder de compra, valor dos imóveis, saúde, segurança, custo de vida, clima e nível de poluição. A cidade do Rio de Janeiro acabou na 43º posição, o que significa que é uma cidade extremamente cara para se viver, além de não oferecer boas condições de saúde e segurança.

A qualidade de vida em outras cidades cariocas

O estado do Rio não é composto apenas por sua capital, é claro. Além de Niterói, a lista segue com cidades que têm apresentado bom índice de desenvolvimento e taxas de crescimento importantes, em especial na área da educação.

  • Rio das Ostras: cidade pertencente à Região dos Lagos, Rio das Ostras tem crescido de forma consistente desde o começo da década de 90. As praias do lugar atraem bastante turistas, em especial aqueles que se dedicam ao surfe.
  • Volta Redonda: cidade que abriga a Companhia Siderúrgica Nacional, a poluição tem se mostrado um de seus grandes problemas. No entanto, tem ocorrido a tentativa de expansão da economia, antes baseada apenas na indústria.
  • Resende: trata-se de uma das cidades mais antigas do estado, e que faz divisa com Minas Gerais e com São Paulo. Fator importantíssimo para a região é a presença da Academia Militar das Agulhas Negras, que forma soldados para o Exército.
  • Maricá: região conhecida por suas fazendas e chácaras de grande valor histórico, as belas praias também são atrativos para a região.
  • Macaé: conhecida como Capital Nacional do Petróleo, por abrigar bases de operação da Petrobrás, a cidade tem recebido investimentos do setor privado para expandir a exploração de seu potencial turístico.
  • Iguaba Grande: a bela “princesinha da região dos lagos” oferece praias de águas tranquilas e mornas, que atraem grade número de turistas.

Como melhorar a qualidade de vida das cidades?

Os índices e pesquisas são importantíssimos para que as cidades saibam em que ponto estão e onde pretende chegar. No caso do estado do Rio, o problema gritante da capital pode parecer a violência, mas a população também sofre com outros males.

É fundamental, para melhorar a qualidade de vida das cidades, partir das necessidades da população. Investir em educação pode garantir o futuro de uma geração inteira, aumentar as expectativas quanto a emprego e renda per capita. Investir em saúde assegura não apenas a qualidade momentânea de vida, mas também a longevidade, fator crucial para que a cidade seja considerada boa para se viver.

E ainda é preciso pensar em saneamento básico, transporte eficiente, oferta de emprego para diferentes faixas da população, queda da mortalidade…são muitas coisas que fazem um lugar oferecer qualidade a sua população. Basta que exista vontade política para que as coisas aconteçam.